Como criar uma gestão de Facilities sustentável na empresa

O que o Facilities Manager pode fazer para trazer retorno financeiro e produtividade usando indicadores de sustentabilidade  Por Francine Vaz

Você sabia que passa 90% do seu tempo dentro de edifícios? E que não é durante a construção que a maior quantidade de recursos (água, energia, materiais) são utilizados, e sim durante a operação e manutenção dos prédios? Sabia que quanto mais saudável for o seu ambiente de trabalho, mais produtivo você será? Ao nos darmos conta dessas informações, percebemos a importância da gestão de Facilities na nossa vida e dentro das empresas.

Quando consideramos o ciclo de vida estimado de 50 anos de uma edificação, cerca de 80-90% das emissões de gases de efeito estufa acontecem na operação do prédio. A geração de resíduos num prédio comercial pode chegar a meio kilo por pessoa por dia, o que representa 130kg de resíduo por pessoa por ano! Com relação a água, gastamos 8.000 litros de água por pessoa por ano nas edificações comerciais! Esses números são impressionantes, mas a boa notícia é que podemos trabalhar para melhorar muito esses indicadores com pequenas ações.

Agora, o que o Facilities Manager tem a ver com a produtividade da sua equipe? Tudo!

Diversas pesquisas vêm mostrando que ao aumentar o bem-estar dos colaboradores, há um incremento na sua produtividade, redução de absenteísmo, entre outros indicadores positivos. Oito estudos de organizações diferentes incluindo Harvard Business Review, World Economic Forum e American Journal of Health Promotion, mostraram um retorno do investimento em programas de bem-estar entre 144% e 3.000%*.

Diante dessas informações, podemos concluir que monitorar indicadores de sustentabilidade é uma tarefa muito importante dentro da vida de um profissional de facilities. Porém, essa prática ainda não é difundida o suficiente dentro das empresas.

Para saber como esse assunto vem sendo tratado, realizei uma pesquisa com empresas do Rio de Janeiro e São Paulo. Responderam ao questionário 41 pessoas que trabalham na área de Facilities Management em lugares diferentes. Quando perguntadas se a empresa possuía diretrizes de sustentabilidade para sua área, 61% afirmou que sim, mas 39% disseram que não. Um número bem alto se pensarmos que esse assunto não é novidade e já vem sendo discutido há bastante tempo no mundo empresarial.

Com relação aos indicadores utilizados**, podemos ver na Figura 1 que o mais usado é a gestão de resíduos (que é obrigatória por lei, por isso, nada de novo aí) seguido pelo acompanhamento do consumo de energia e depois pelo consumo de água. Veja bem, isso não quer dizer que existe um programa para redução de consumo, mas sim que esse indicador é acompanhado.

Quando perguntadas sobre diretrizes relacionadas com o bem-estar dos funcionários, como política de limpeza verde, pesquisa de conforto térmico e mobilidade, vemos que poucas empresas monitoram algum indicador (Figura 1).

Figura 1 – Resultado da pesquisa sobre indicadores de sustentabilidade.

Também perguntamos se os entrevistados conheciam as certificações ambientais para operação LEED EBOM e AQUA Uso e Operação, já que são ótimos instrumentos para a implementação de políticas e planos que trabalhem esses indicadores. Porém 53% não as conhecem e apenas 12% já trabalharam com ela ou possuem um prédio certificado. A última pergunta foi com relação à percepção de valor que os itens de sustentabilidade trazem para o trabalho de Facilities Management (Figura 2).

Figura 2 – Resultado da pesquisa sobre itens que trazem maior valor ao FM.

Podemos perceber que o que foi eleito como tendo o maior valor (5) foi a inspeção predial com foco em melhorias e reparos, seguida pela auditoria de energia com foco em redução de consumo. Em seguida veio a auditoria de água, depois resíduos e por último a gestão de fornecedores com menor impacto ambiental.

A conclusão que podemos tirar dessa pesquisa é que ainda há muito trabalho para ser feito na divulgação da importância da sustentabilidade na gestão de facilities. Isso se reflete no resultado da percepção de valor dos itens de sustentabilidade para FM – a maior parte elegeu a inspeção predial como o item que agrega maior valor. Esse item é com certeza importante, mas talvez os outros sejam deixados de lado por falta de conhecimento do profissional. Posso citar como exemplos de sucesso prédios que adotaram o monitoramento de energia, água e resíduos com planos de melhoria e obtiveram resultados expressivos num curto espaço de tempo. Muitas vezes o payback dos investimentos chega a ser inferior a 1 ano.

Com os itens relacionados ao bem-estar dos ocupantes acontece a mesma coisa. O desconhecimento dos benefícios de implantação dessas estratégias leva muitas vezes os profissionais de FM a ignora-los, até mesmo porque geralmente não são cobrados pelos seus superiores.

Então, se você trabalha nessa área, saiba que tem um poder imenso nas mãos! Você pode otimizar recursos e fazer um bem enorme ao planeta economizando muito dinheiro para sua empresa e ainda pode criar um ambiente de trabalho mais saudável, produtivo e com mais qualidade de vida para as pessoas! Vamos começar?

*Para saber mais sobre esse assunto, veja o estudo aqui – https://www.knoll.com/knollnewsdetail/whats-good-for-people-moving-from-wellness-towell-being ** Para a pesquisa, foram selecionados alguns dos indicadores mais importantes quando nos referimos à sustentabilidade na operação e manutenção.

Gostou deste artigo?

Share on facebook
Compartilhar no Facebook
Share on twitter
Compartilhar no Twitter
Share on linkedin
Compartilhar no Linkdin
Share on pinterest
Compartilhar no Pinterest

Deixe um comentário

Garanta já a sua inscrição para o próximo Facilities Café!

Sou Edison Sanromã profissional da área de Facilities, já atuai como gestor de facilities em empresas como Shell, Vale e Rio 2016 e atualmente além do trabalho de consultoria, coordenador do MBA em Facilities aqui no Rio de Janeiro e sou responsável por cursos de extensão e palestras sobre o tema.